segunda-feira, 13 de julho de 2009

Teoria Construtivista

A aprendizagem construtivista é simplesmente o processo de ajustamento do nossos modelos mentais para incluir e organizar novas experiências.

Princípios do Construtivismo:

- A aprendizagem é uma procura de sentido. Como tal, deve começar com tópicos à volta dos quais o indivíduo esteja activamente interessado em construir sentido.
- O sentido requer a compreensão tanto do todo como das partes. As partes devem ser compreendidas no contexto do todo. Por isso a aprendizagem deve focar-se em conceitos primários e não em factos isolados.

- Para ensinar bem, o professor tem de compreender os modelos mentais que os alunos utilizam para interpretar o mundo e os pressupostos que estão por detrás desses modelos.
- O objectivo da aprendizagem é que o aluno construa o seu próprio sentido, não é memorizar as respostas “certas” e reproduzir o sentido de outra pessoa.
- Visto que a educação é inerentemente interdisciplinar, a única maneira válida de avaliar a aprendizagem é integrar o processo de avaliação no próprio processo de aprendizagem, assegurando que o aluno receba informação sobre a progressão na sua própria aprendizagem.
Estilos de Aprendizagem:

- Cada aluno define o seu próprio estilo de aprendizagem, aprendendo o que se quer, como e onde se quer;

- É através deste estilo pessoal de aprendizagem que adquirimos a experiência de vida;

- Centra-se no ser humano, na sua singularidade, nos seus motivos e nos seus interesses;

- A aprendizagem é determinada pelo melhor processo que cada indivíduo encontra para reter novos conhecimentos, novas experiências;

- Aprendizagem como algo espontâneo.

Princípios Psicopedagógicos:


- A preocupação central não deve ser com o ensino, mas sim com a aprendizagem numa perspectiva de desenvolvimento do aluno;
- Centrar a aprendizagem no aluno e nas suas necessidades, na sua vontade e nos seus sentimentos;
- Desenvolver no aluno a responsabilidade pela auto-aprendizagem e incutir-lhe o espírito de auto-avaliação;
- Centrar a aprendizagem em actividades e experiências significativas para o aluno;
- Desenvolver no seio do grupo relações interpessoais baseadas na empatia;
- Ensinar também a sentir e não apenas a pensar;
- Ensinar a aprender;
- Criar no seio do grupo uma atmosfera emocional positiva, que ajude o aluno a integrar novas experiências e novas ideias;
- Promover a aprendizagem activa, orientada para processos de descoberta, autónomos e reflectidos.

Técnicas de Ensino:

- Ensino individualizado;
- Discussões;
- Debates;
- Painéis;
- Simulações;
- Jogos de Papéis;
- Resolução de Problemas.

VYGOTSKY

Lev S. Vygotsky (1896-1934) , professor e pesquisador foi contemporâneo de Piaget, e nasceu em Orsha, pequena cidade da Bielorrusia em 17 de novembro de 1896, viveu na Rússia, quando morreu, de tuberculose, tinha 37 anos.

Construiu a sua teoria tendo por base o desenvolvimento do indivíduo como resultado de um processo sócio-histórico, enfatizando o papel da linguagem e da aprendizagem nesse desenvolvimento, sendo essa teoria considerada histórico-social. A sua questão central é a aquisição de conhecimentos pela interação do sujeito com o meio.

As concepções de Vygotsky sobre o processo de formação de conceitos remetem às relações entre pensamento e linguagem, à questão cultural no processo de construção de significados pelos indivíduos e ao papel da escola na transmissão de conhecimento, que é de natureza diferente daqueles aprendidos na vida quotidiana. Propõe uma visão de formação das funções psíquicas superiores como internalização mediada pela cultura.

As concepções de Vygotsky sobre o funcionamento do cérebro humano, colocam que o cérebro é a base biológica, e as suas peculiaridades definem limites e possibilidades para o desenvolvimento humano. Essas concepções fundamentam a sua idéia de que as funções psicológicas superiores (Ex. linguagem, memória) são construídas ao longo da história social do homem com a sua relação com o mundo. Desse modo, as funções psicológicas superiores referem-se a processos voluntários, acções conscientes, mecanismos intencionais e dependem de processos de aprendizagem.

Vygotsky usa o termo função mental para referir-se aos processos de: pensamento, memória, percepção e atenção. Refere que o pensamento tem origem na motivação, interesse, necessidade, impulso, afecto e emoção.

A interação social e o instrumento linguístico são decisivos para o desenvolvimento.

Existem, pelo menos dois níveis de desenvolvimento identificados por Vygotsky: um real, já adquirido ou formado, que determina o que a criança já é capaz de fazer por si própria, e um potencial, ou seja, a capacidade de aprender com outra pessoa.

A aprendizagem interage com o desenvolvimento, produzindo abertura nas zonas de desenvolvimento proximal (distância entre aquilo que a criança faz sozinha e o que ela é capaz de fazer com a intervenção de um adulto, ou seja, é a distância entre o nível de desenvolvimento real e o potencial) nas quais as interacções sociais são centrais, estando então, ambos os processos, a aprendizagem e o desenvolvimento, inter-relacionados.

A escola é o lugar onde a intervenção pedagógica intencional desencadeia o processo ensino-aprendizagem. O professor tem o papel explícito de interferir no processo, diferentemente de situações informais nas quais o aluno aprende por imersão num ambiente cultural. Portanto, é papel do professor provocar avanços nos alunos e isso torna-se possível com a sua interferência na zona proximal.

Vemos ainda como fator relevante para a educação, decorrente das interpretações das teorias de Vygotsky, a importância da actuação dos outros membros do grupo social na mediação entre a cultura e o indivíduo, pois uma intervenção deliberada desses membros da cultura, nessa perspectiva, é essencial no processo de desenvolvimento. Isso mostra-nos os processos pedagógicos como intencionais, deliberados, sendo o objecto dessa intervenção: a construção de conceitos.

O aluno não é somente o sujeito da aprendizagem, mas aquele que aprende junto ao outro, o que o seu grupo social produz, tal como: valores, linguagem e o próprio conhecimento.

4 comentários:

  1. Texto bem escrito e claro.

    ResponderEliminar
  2. Victoria16:52

    Boa tarde. Que livros posso encontrar que falem sobre o tema?

    ResponderEliminar
  3. arise01:17

    ótimo texto .

    ResponderEliminar
  4. Anónimo20:29

    gostaria de saber nomes de filmes que faz relaçao com a teoria contrutivista

    ResponderEliminar